Saturday, May 19, 2007

AUTOPRÓPRIAJUDA(1)

Que faço para atrair bons fluidos?

Procuro desviar o foco de toda intenção competitiva e egocêntrica e de toda vontade de medir o mundo pelas minhas próprias medidas. Nessa tentativa, recorro ao poeta para lembrar que o mundo não é só aqui ou que a vida não é só isso que se vê, e que muito certamente eu não sou mesmo a única coisa que importa neste mundo. Então enfeito minha alma de heterônimos e saio pela casa cantando um samba de breque, qualquer um daqueles antigos do Kid Morengueira.

3 Comments:

Anonymous Rodrigo said...

Reccoro a outro poeta complementando: é preciso força pra sonhar e perceber, que a estrada vai além do que se vê.
Vi seu comentário lá no meu blog. De fato, esse é o problema do Moura Castro e de tudo o mais daquela revista né... é revoltante, mas é justamente neste contexto que que estou atuando hoje... as opiniões e visões de algumas pessoas que nos cercam a respeito de educação, inclusão/exclusão...
São estivadores, trabalhadores da borracha
Na ronda sou rei, vou lhe explicar porque falei,
Muito considerado, escutem só o meu babado…
Mata, tripa, esfolha, e assim fico
Esperando o freguês, porque o otário não tem vez
.
E por aí vai...

8:02 AM  
Anonymous Rodrigo said...

Às vezes nosso próprio texto nos trai... rsrs. Depois de lido o comentário, resolvi escrever outro, por via das dúvidas.
Não, eu não concordo com o Moura Castro!
Hehehehehehee....
Saudades, amigo.

8:04 AM  
Anonymous Auci said...

Sábia atitude. Digna da malandragem do grande Moreira. Afinal, malandro e vagabundo não são da mesmo saco, como ele mesmo dizia.

O negócio é ter na veia a grande malandragem pra viver a vida o melhor que puder ser vivida. Porque dela sabemos tão pouco e temos muito o que aprender, né não? Fora da casca!

Bom domingão!
Bj

10:23 AM  

Post a Comment

<< Home